Post cientifico


Na década de 90, cientistas da OLFMR (Organização de leis físicas do mundo real) atestaram a veracidade da chamada “Lei de Murphy”, e todas suas variantes, através de uma série de experimentos práticos que envolviam um gato, elementos químicos de alta periculosidade e uma máquina de lavar roupas. Detalhes mais complexos do experimento, e suas conclusões podem ser encontrados neste link.

Os resultados desse fascinante estudo incentivaram pesquisadores de todo o mundo. Diversas possibilidades se abriram: Livrar o mundo de coisas como a enésima edição do “Big Brother Brasil”, criar fontes de energias limpas e inesgotáveis, acabar com a criminalidade do mundo, arrancar a roupa da mais nova celebridade instântanea do momento (Antes que a plaboy faça o mesmo), criar políticos honestos, entre muitas outras possibilidades.

Mas é triste perceber que nenhum resultado concreto foi alcançado através de uma década de pesquisas.

Tudo mudou no ano de 2005 quando um cientista australiano de nome impronunciavel desenvolveu uma técnica prática de aplicação das “Leis de Murphy”, que ficou mais conhecida como a “Teoria do Gato que Gira no Ar”. Resumidamente, esta tese aplicava os seguintes fatos: Os gatos sempre caem em pé, e o pão com manteiga sempre cai no chão com a face que contém manteiga virada para baixo.

A teoria é simples, e de certa forma, genial. Ao se amarrar um pão com manteiga virado para cima nas costas de um gato, e arremessa-lo ao chão, teriamos um efeito de loop: As leis físicas se complementariam, e o gato ficaria para sempre flutuando no ar.

Não desmereço o criador desta teoria. Entretanto, não concordo com seu funcionamento, como apresentarei a seguir:

1-) O criador desta teoria esqueceu-se de calcular o coeficiente da queda do gato em sua equação de quantidade de manteiga envolvida.

Com isso em mente, de acordo com a fórmula: x-89*(125y-47z)/(z+t), temos que no final do arremesso do gato, o valor de x torna-se zero, o que significa que no final, o gato não fica no ar indefinidamente, e sim, desaparece por completo.

2-) A fórmula de indivisibilidade do número de patas do gato torna-se enviesada quando consideramos o número de pelos nas costas do gato.

De acordo com a fórmula, temos (y+z+x)/768*w, e ao levarmos w (que representa o número de pelos do bichano) ao infinito, temos que o resultado invariavelmente torna-se 0, o que de maneira semelhante a fórmula proposta em 1, faz com que o gato despareça novamente.

3-) Por fim, não foi considerada a atuação da própria “Lei de Murphy” no processo, o que faz com que o experimento dê errado de qualquer maneira, independente das afirmações acima.

A todos que continuaram lendo este texto até o fim, agradeço pela atenção.

HISK

P.S. Uma nota de ultima hora. Como todos devem saber, a OLFMR fechou suas portas no ano passado, cedendo finalmente as pressões constantes do GCEAPCG (Grupo contra experiencias de amarrar pães nas costas de gatos).

5 comentários
  1. Ancora disse:

    arg arg…
    eu ainda li td pensando ter qlgo de interessante..
    Té mais!

    R: Poxa, que triste. Feriu meus sentimentos.

  2. Isso explica onde foram parar (ou melhor, onde não foram parar) os pobres chaninhos que invadiram o café da manhã em homenagem ao Deus Rato na OVEA01 (Organização dos Viajantes Espaciais de Alfa 01). Estive lá, mas fui embora muito antes e só pude ver esse evento da invasão dos gatos posteriormente graças a um vídeo no youtube.com.

    R: E eu jurava que a OVEA01 estava extinta…

  3. Alec disse:

    rs…
    Ainda to tentando parar de rir…
    Tem certeza que você está no curso certo?
    Abraços

    R: Espero sinceramente estar no curso certo.

  4. SB disse:

    Colega,
    Discordo da teoria de que os gatos desaparecem (eles somente se teletransportam). Na realidade, o número de gatos no planeta está aumentando em escala logarítimica, pois a invasão felina que está sendo planejada há milênios está próxima de acontecer. Os códigos de aproximação estão sendo veiculados nas tampinhas de Coca-cola. Os aparelhos de monitoração dos felinos, escondidos nas canetas BIC já estão por toda parte. A hora é chegada. Tenha sempre um cachooro por perto…

  5. Roger disse:

    kkkkkkkkkkkkkk, muito interessante. Gostei. Cômico!!!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: